Andrea Rheder Arte Contemporânea, São Paulo, 2016

Dano e Excesso  - Exposição Individual

Damage and Excess - solo show

Paul Setúbal pertence ao time de jovens artistas brasileiros que se projetam na cena contemporânea das artes visuais com sua produção em múltiplas linguagens. O conjunto de sua obra traduz suas apreensões sobre as tensões do mundo atual. Com participação em várias mostras coletivas e salões de arte no país, o artista junto ao Grupo EmpreZa atuou ao lado de Marina Abramović e recentemente participou de um grande festival de arte na Austrália. Atualmente participa da histórica exposição “A Cor do Brasil”, com curadoria de Paulo Herkenhoff e Marcelo Campos no Museu de Arte do Rio.

Paul Setúbal belongs to the team of young Brazilian artists who project themselves on the contemporary visual arts scene with their production in multiple media. His work reflects his apprehensions about the tensions of the current world. With participation in several collective exhibitions and art shows in the country, the artist with the Grupo EmpreZa acted alongside Marina Abramović and recently participated in a major art festival in Australia. Currently participates in the historic exhibition “A Cor do Brasil”, curated by Paulo Herkenhoff and Marcelo Campos at the Museu de Arte do Rio.

Vista da exposição/ Exhibition view

Instrumento para uma fantasia/ Instrument for a fantasy. Marretas de 1,5 kg com marcas e volumes de dentes humanos. Ferro fundido, tinta automotiva e madeira/ 1.5 kg sledgehammer with marks and volumes of human teeth. Iron, automotive paint, and wood. 14 x 30 x 5 cm cada. 2016. Edição de 3 + PA

Manual de sobrevivência/ Survival Guide. Sangue do artista sobre tela/ blood on canvas. 100 x 150 cm. 2016. Private collection.

Dano e Excesso/ Damage and Excess. Sangue do artista sobre tela/ Blood on canvas. 150 x 200 cm. 2016

Corpus e Labore. Sangue do artista sobre tela/ blood on canvas. 150 x 200 cm. 2016

Concussão (Lapsus e Nauseam)
Sangue da mãe do artista sobre tela/artist mother's blood on canvas. 150 x 100 cm. 2016. Private collection

Dano e Excesso” - 2016


Por Wagner Barja

Águas de rebelião passam por baixo da ponte que leva à obra de Paul Setúbal.

“A margem também esta dentro do rio”.¹ – O corpo é a margem, lugar insólito onde se situa a ação de toda a obra desse artista insatisfeito. Ele fará significar o grave tom de sua narrativa, ao implodir a ordem linear das coisas. Pratica-se aqui a desordem do “Eu”, para dar vez ao surgimento do gesto primal.

Arte ou ritual? O corpo em oferenda ao deus da criação, na experiência e no sacrifício: expõe-se, expia-se e esvai-se na forte carga simbólica do ato. Na prática do autoflagelo o artista corta, ora para desenhar com o próprio sangue, ora para agregar bravura na urgência da linguagem.

O uso do “Eu” como suporte da manifestação, remete aos sacrifícios de práticas ancestrais, nas quais o homem adorou seus deuses e a eles ofertou a carne.

Na carne/objeto as cicatrizes são desenhos, os registros de uma linguagem limítrofe ao desfalecimento.

Excesso e dano.

O inconsciente insinua mensagens por meio de uma arte revelada nos sentidos. Eles pulsam e se exteriorizam na natureza ontológica dos objetos, aqui já impregnados pelo artista de memória e espírito.

(1) Rogério Duarte Guimarães